Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

13
Set21

“A Laranja Mecânica”, Anthony Burgess

Sofia

A bondade é algo que se escolhe. Quando um homem não pode escolher, deixa de ser homem.

9780141197531.jpg

A Laranja Mecânica é uma obra do autor americano Anthony Burgess publicada em meados do século XX (1962). É ainda diversas vezes considerada uma das obras americanas mais significativas e é vastamente conhecida devido à adaptação cinematográfica do realizador Stanley Kubrick. Não obstante ser uma das obras americanas mais lidas e privilegiadas, o seu autor acabou por a repudiar, afirmando inclusive que nunca a deveria ter escrito.

 

Esta obra é muitas vezes descrita como uma distopia ou uma comédia ou sátira de humor negro. A sua ação envolve uma sociedade localizada no futuro e caracterizada por comportamentos de extrema violência, sobretudo entre os mais jovens. A narrativa divide-se em três partes e segue a vida do jovem protagonista Alex. A primeira parte acompanha a vida criminosa de Alex e os violentos crimes que ele, com os seus amigos, vai cometendo. Um desses crimes resulta num homicídio e Alex é preso. A partir daí decorre a segunda parte que segue a vida de Alex na prisão e as tentativas de corrigir o seu comportamento marginal e as suas tendências para a violência. Nesta parte lemos sobre a denominada técnica Ludovico que consiste basicamente num modo de terapia de aversão — Alex é forçado a ver filmes que englobam cenas de alta violência ao mesmo tempo que, sob o efeito de medicação própria, se sente enjoado e incapacitado. Esta nova técnica parte de um plano governamental para corrigir pessoas violentas. A terceira e última parte inicia quando Alex é libertado e aborda o seu regresso e consequente saída de casa dos pais, a brutalidade com que é tratado pela polícia e, sobretudo o seu reencontro com uma das suas anteriores vítimas, um escritor altamente crítico do governo, da polícia e das novas técnicas de condicionamento comportamental que pretende utilizar o caso de Alex como exemplo, impedindo os avanços e a reeleição do governo em exercício.

O aspeto que mais sobressai nesta obra é, de facto, a questão do condicionamento psicológico e o debate que ele suscita. Porém, igualmente interessante é a questão do livre arbítrio a si subjacente. Está sempre presente uma reflexão profunda sobre a escolha entre o bem e o mal, uma escolha própria de cada um em relação ao seu comportamento — deverá ser o indivíduo a escolher, ou enquanto membro de uma sociedade, deve existir um condicionamento da escolha individual.

Também de destaque é todo o vocabulário criado pelo autor para esta obra. Palavras novas e sentidos novos que tornam necessário uma espécie de dicionário próprio no final da obra para se conseguir compreender totalmente o dialeto que o narrador utiliza.

Como referi no início, Burgess foi bastante crítico com a esta sua obra. Anos depois da sua publicação referiu que nunca a deveria ter escrito, que o tinha feito pelo retorno financeiro e que nunca esperara que a ela se tornasse tão popular e, nas suas palavras, que viesse a ser tão erroneamente interpretada. O autor referia-se a uma espécie de glamourização da violência que a obra impulsionou aquando da sua publicação e, sobretudo, aquando da adaptação cinematográfica que mais a popularizou. Pessoalmente não tenho a certeza de que esse enlevo por um modo de violência não fosse já poético por via de outras obras e tradições e não transparecesse já para vida real de então. Aliás, a inspiração para a escrita de A Laranja Mecânica terá sido a observação pessoal do próprio autor de grupos de delinquentes então em Inglaterra.

Não obstante, tendo a considerar esta obra, realmente, uma distopia. Com efeito, A Laranja Mecânica é muitas vezes colocada ao lado de obras como Admirável Mundo Novo e 1984. Penso que também é assim que a prefiro compreender.

Esta obra está traduzida para português, mas, caso queiram ler, aconselho a versão original se possível ,devido à linguagem inovadora e de impossível tradução para outros idiomas. A edição da Penguin que está no inicío deste post é especialmente completa, contendo diversos ensaios sobre esta obra do autor e de críticos, assim como uma introdução e uma nota prévia, ambas muito esclarecedoras.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub