Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

20
Mai19

“A República”, Platão

Sofia

“Se acreditarem em mim, crendo que a alma é imortal e capaz de suportar todos os males e todos os bens, seguiremos sempre o caminho para o alto, e praticaremos por todas as formas a justiça com sabedoria, a fim de sermos caros a nós mesmos e aos deuses, enquanto permanecermos aqui; e, depois de termos ganho os prémios da justiça, como os vencedores dos jogos que andam em volta a recolher as prendas das multidões, tanto aqui como na viagem de mil anos que descrevemos, havemos de ser felizes.”

22880275356.jpg

Eu costumo referir sempre no início de um novo post o porquê de ter escolhido ler a obra da qual estou a escrever a review. Desta vez não o vou fazer. Porém, posso dizer que já tinha vontade de ler esta obra há um tempo, de maneira que fiquei feliz de finalmente ter tido oportunidade, independentemente de outras razões.

 

A República é uma obra tão popular e importante que me sinto embaraçada e com receio de “sumariar”. Até porque, quer dizer, o que posso dizer? É um diálogo do século IV a.C, dividido em 10 livros e narrado por Sócrates, em que se discutem diversos aspetos e em que se apresenta uma proposta daquela que seria uma cidade ideal.

Não me parece de todo adequado eu dar aqui a minha opinião de uma obra desta envergadura, muito menos dado o facto de eu não ser de todo desta área, como tal, não estou nem de perto nem de longe, qualificada para o fazer. Além disso, provavelmente em função do facto da minha formação ser em literatura, eu sou frequentemente incapaz de ler um livro sem o romantizar, sem o ler como uma história. Não me acontece só com filosofia, acontece-me o mesmo em relação a obras de teoria, História, etc. Tenho noção de que isto me limita um bocadinho em questões de interpretação e me torna “tendenciosa”. Como tal, vou apenas destacar alguns temas da obra dos quais gostei particularmente.

O primeiro livro foi o meu preferido. Há uma discussão dos conceitos de justiça e injustiça que me fascinou sinceramente. Não tenho a arrogância para supor que entendi a totalidade do que aconteceu ali, mas que fiquei fascinada, fiquei. Até pela argumentação. Parecia um jogo para mim.

Gostei também muito da Alegoria da Caverna e do Mito de Er. Nesse ‘âmbito’, foram os meus preferidos. Já os conhecia, como é óbvio, mas é muito melhor lê-los. O mito de Er encantou-me particularmente. Toda a questão das almas, da justiça, do pagar pelos pecados e excessos, do renascer nas estrelas. É muito bonito. E o que dizer da Alegoria? Todos os estudos e discussões nunca vão ser o suficiente, apenas ‘sombras’.

Da mesma forma, também gostei muito do livro que tratava dos regimes políticos. A discussão acerca da oligarquia, democracia e tirania foi uma das minhas preferidas! Achei interessante ao ponto de ter pensado “não tinha visto isto desta forma, mas faz todo o sentido”.

O aspeto que “falou” mais comigo, foi, como provavelmente adivinham, a expulsão dos poetas da “cidade perfeita”. Com todo o respeito, mas que grande seca ia ser. E muito triste. Não obstante isso, entendi a ideia que se queria passar e concordo com ela. Em alguns casos, a literatura, especialmente a que é “mimética”, como se refere aqui, a que não representa a vida como ela é, a que idealiza e romantiza, pode, de facto, ter um efeito subversivo. Aceito isso. Porém, também faz falta, ou não? A vida já é tão triste e aborrecida. Imagine-se sem criatividade, sem a possibilidade de sonhar, de idealizar. Não são preferíveis as ilusões, as ‘mentiras’, as fantasias? Pode ser ‘perigoso’, é verdade. Francesca e Paolo, o efeito ‘Werther’, e bla bla bla. Mas e então? Eu, pessoalmente, prefiro tudo isso a um mundo sem poesia. E sem democracia e liberdade de escolha, já agora.

Além disso, expulsar os poetas e escrever uma obra destas, é para mim, uma ironia gigante. Daquelas das quais realmente apenas um filósofo é capaz.

Em suma, eu gostei muito da obra. Não foi algo que me apaixonasse, mas achei a leitura muito agradável. Terminei rápido, o que é bom sinal. E claro que recomendo a leitura. Nem é preciso dizer. Só o efeito e impacto que teve e tem no pensamento ocidental! Leiam e digam-me de vossa justiça! Já leram? O que acharam? Digam-me só uma coisa, não acham A República uma obra incrivelmente poética, ou fui só eu?

 

Idioma de leitura: Português

 

4/5

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D