Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

09
Abr18

“Agora e Para Sempre”, Jenny Han – o fim de uma trilogia é o fim de um amor

Sofia

“Acho que direi que tudo começou com uma carta de amor”

250x.jpg

O fim esperado da trilogia A Todos os Rapazes que Amei chegou e é qualquer coisa de adorável. Esta trilogia é uma das minhas favoritas de sempre e eu passo a explicar porquê. Lembro-me exatamente como tudo começou. Deparei-me com esta série em 2014 quando me vi perante o primeiro livro na livraria do El Corte Inglés. Li a contracapa e apaixonei-me. Porquê? Porque a protagonista, a Lara Jean, faz exatamente o mesmo que eu: escreve cartas de amor aos rapazes por quem se apaixona, mas não as entrega. Quando comecei este blog já tinha lido os primeiros dois livros: A Todos os Rapazes que Amei e P.S: Ainda te Amo, porém isso não me demove de vos vir contar a minha opinião do final da história da Lara Jean: Agora e Para Sempre.

 

Como já vos expliquei a protagonista Lara Jean escreve cartas de amor aos rapazes por quem se apaixona, não com a intenção de as entregar, mas pelo contrário para se libertar desse amor, uma espécie de catarse. Tudo muda quando as cartas que guarda numa caixa de chapéus em baixo da sua cama vão parar às mãos dos destinatários. Esta é a premissa do primeiro livro. No segundo livro observamos o continuar de um relacionamento com Peter, um dos rapazes que recebe a sua carta, que surge logo no primeiro romance. Neste último romance, surge o desenlace da sua história. Observamos agora a relação de Lara Jean e Peter no último ano do secundário quando se aproxima uma batalha difícil: escolher a faculdade para onde vão. E se forem para sítios diferentes? O namoro e o amor vão resistir à distância? A verdade é que não sabemos e isso foi o que mais me irritou. O livro termina na última noite de Lara Jean e Peter antes de partirem para a faculdade. É óbvio que fica algo subentendido, um final que fica ali no ar. Mas é isso suficiente?

Para mim não. Fiquei muito cética quando soube que o primeiro livro ia ter uma continuação. Quando soube que ia existir um terceiro fiquei feliz e assustada ao mesmo tempo. Quando vi o final do livro, fiquei zangadíssima. Esperava pelo menos um epílogo com um “5 anos depois” para poder ficar aliviada e feliz à vontade. Ao invés fiquei inquieta. Eu sei o que está subentendido, mas preferia vê-lo por escrito, entendem?

A verdade é que há livros que não precisam de uma continuação. A Todos os Rapazes que Amei é um desses livros. Porém eu aceitei e apreciei P.S: Ainda te Amo e Agora e Para Sempre. Mas se era para dar um final subentendido preferia que tivesse sido só um livro ou vá, dois.

É claro que eu sinto isto tudo por duas razões: a primeira é aquela que vocês já sabem – eu vivo muito as histórias – e a segunda é porque esta história é muito pessoal para mim. Como vos disse tenho mesmo hábito da protagonista. Até guardo as minha cartas de amor no mesmo sitio que a protagonista, numa caixa debaixo da cama. Devo ter à volta de umas cem lá metidas, quase todas para a mesma pessoa. Tal como no caso da Lara Jean uma das minhas cartas também foi parar às mãos do seu destinatário. A diferença foi que no meu caso foi intencional. Agora perguntam-me: e então? E então nada. Não me aconteceu o que aconteceu à Lara Jean. A minha carta de amor não foi o início de uma história de amor. É por isso que eu vivo tanto a história dela, era o que eu queria para mim. Sou muito protetora em relação ao romance da Lara Jean e do Peter e fiquei aborrecida por a autora não me ter assegurado o final destes dois, porque eles têm tudo aquilo que eu não tive. Na verdade sou tão protetora em relação a esta história que nem acredito que estou a escrever sobre ela. Mas estou. E sabem porquê?

Porque quero muito que a leiam. Vão a correr a uma livraria e comprem o primeiro livro A Todos os Rapazes que Amei, e depois comprem P.S: Ainda te Amo, e depois se se sentirem na disposição de um final subentendido comprem Agora e Para Sempre. É um favor que fazem a vocês mesmos, vão por mim. Não consigo recomendar esta trilogia vezes suficientes. Tive uma bonita história de amor com esta história. Estou tão triste por ter acabado, mas estou muito feliz por ter existido. Vou guardar esta história comigo "agora e para sempre". É linda e deu-me o final feliz que eu queria para mim. E por isso vou estar sempre grata a Jenny Han. E agora, por favor, arranjem-me o meu próprio Peter Kavinsky.

 

Idioma de leitura: português

 

4/5

 

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Segue-me nas redes sociais

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D