Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

31
Ago20

“Anna Christie”, Eugene O’Neill”

Sofia

Somos todos pobres criaturas e as coisas acontecem, acabamos por errar, apenas isso.

Anna Christie eBook by Eugene O'Neill | Rakuten Kobo

A semana passada falei-vos de uma peça e esta semana escrevo-vos sobre outra peça. Desta vez (ainda) não é Shakespeare outra vez, mas sim o autor americano Eugene O’Neill e a sua peça Anna Christie (1921).

 

Anna Christie é uma peça em quatro atos que segue a protagonista Anna Christie, uma prostituta, e a sua relação com dois homens – Chris, o seu pai, e Matt, um pretendente. A peça começa quando Chris recebe uma carta da filha, não vê a filha desde a infância dela quando a deixou aos cuidados da sua família para se aventurar pelo mar, a agendar um encontro. Anna já não é nada do que Chris pensou que ela era ou seria. Antes do fim do primeiro acto Anna concorda em embarcar com o pai e, no segundo acto, em consequência de um naufrágio, conhece Matt e os dois apaixonam-se. Assim, o terceiro acto segue a disputa entre os dois homens – Chris e Matt – por Anna e pela sua atenção, enquanto que o quarto acto define o “vencedor”.

No fundo a peça é sobre os tormentos desta personagem, Anna, que, abandonada pelos pais ao cuidado uma família negligente que não a amava, encontra primeiramente a exploração na profissão de enfermeira e em seguida na prostituição, até vir novamente a ser disputada por dois homens que diziam amá-la e a encarar o preconceito face às suas atividades.

Creio que o principal tema da obra é óbvio, as relações de poder e de género. Existe um discurso no inicio da peça em que Anna discorre basicamente sobre como toda a sua vida foi sendo explorada de diversos modos por diversos homens; quer pelos da sua família que a obrigaram a trabalhar, quer depois pelos seus pacientes que requeriam uma anormal atenção dela; até culminar na prostituição. Neste discurso a sua atitude e opinião face aos homens é bastante negativa e enfática.

O que tem significado para mim é que, não obstante essa postura, Anna não consegue evitar criar laços com o pai e esperar que ele seja diferente. Em seguida faz o mesmo com Matt. E ainda mais interessante é notar como, de certo modo, eles mesmos não só não a respeitam enquanto entidade isolada e independente deles, como, na verdade, também a exploram, ainda que de modo diferente. A própria competição entre eles aliena completamente Anna ou a sua vontade. É uma competição entre um homem que quer casar com ela e um que não a quer deixar sair da sua vida e do seu espaço de manobra. Notar o modo como eles reagem à revelação da profissão de Anna é ainda mais interessante neste contexto.

Gostava de destacar também a importância da família e dos afetos no desenvolvimento de um ser, a nível humano mas também social. Isto porque não conseguimos deixar de nos questionar, tivesse Anna crescido com os pais e seria mais feliz? Mas a questão não é realmente essa, porque se ela crescesse com pais que não a tratassem bem poderia resultar no mesmo ou pior. A questão importante é, tivesse ela crescido com amor, ou pelo menos respeito, o seu destino seria outro? Isto faz-nos refletir sobre a importância do meio no qual crescemos e sobre o modo como somos educados. Independentemente de qualquer predisposição da nossa natureza, personalidade, etc.

Além disso, destaco o final e a visão otimista que esta peça, que parece sempre pesada de uma atmosfera negativa, consegue.

No geral, penso que é uma peça bastante interessante. Mais pelo que representa e simboliza do que propriamente por si. Pessoalmente, gostei mais do significado da peça e da reflexão que ela suscitou do que propriamente de a ler.

Já leram Anna Christie? Quais as vossas impressões?

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub