Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

27
Mai19

“As Intermitências da Morte”, José Saramago

Sofia

"A morte, por si mesma, sozinha, sem qualquer ajuda externa, sempre matou muito menos que o homem”

250x.jpeg

Como provavelmente já perceberam, eu não sou por excelência uma apreciadora ou admiradora de literatura portuguesa. Não é o meu campo de interesses principal e sinto sempre que para me prender, tem realmente de ser uma obra notável. Assim, há muito poucos autores que aprecie e como tal, cada vez que decido do nada que é altura de ler literatura portuguesa, é um desafio. Tudo o que é clássico, já está lido. E tudo o que é atual, simplesmente não me puxa. Saramago é como o meio termo e então, para mim, é uma exceção. Desta forma, nos últimos anos, cada vez que decido que está na hora de literatura portuguesa, é sempre Saramago. Porém, as escolhas também vão escasseando cada vez mais e desta vez, a escolha foi As Intermitências da Morte

 

As Intermitências da Morte é uma história sobre os caprichos da morte. Certo dia, num determinado país, as pessoas deixam simplesmente de morrer. As pessoas sobreviviam a acidentes terríveis e as que estavam em leito de morte, assim permaneciam. E porquê? A Morte decidiu que queria demonstrar aos humanos como seria se vivessem para sempre. 

Acho que todos percebem que a premissa da história, para além de ser incrivelmente poética e original, é filosófica. Por isso, não me parece que haja uma interpretação linear e transversal, pelo que não vou tentar produzir uma. 

Então, coisas que destaco mesmo muito: a habitual descontração, ironia e perspicácia de Saramago - nunca deixa de surpreender. Por exemplo, ele criou mesmo uma figura humana para a morte, que ‘desenhou’ de acordo com a crença comum acerca da mesma e com as suas representações: o esqueleto, a gadanha, as roupas, a magia, etc. O facto de a morte enviar cartas, comunicar como o comum mortal, através até da comunicação social (claro). E, claro, o retrato de toda a calamidade que ia ser se as pessoas simplesmente deixassem de morrer e, sobretudo, da maneira em como os mais poderosos, que beneficiavam com a morte comum, arranjavam novas formas de beneficiar com a não morte (neste âmbito, achei principalmente interessante a forma em como o autor ilustrou os comportamentos não só do governo, mas especialmente da ‘maphia’ e das seguradoras). Claro que o papel da Igreja Católica também foi abordado, porque afinal é Saramago. Porém, essa parte não é uma que eu particularmente destaque por aí além. 

A minha parte preferida foi, de facto, a humanização total da morte. Tão incrível. Aqui a morte é dotada de todas as características que fazem do ser, humano. O orgulho, os caprichos, a arrogância, até o facto de ela mesma ser falível. No fim, a morte é tão humana como nós. É tão humana que também se apaixona. Esse momento, para mim, é genial. É estupendo que a morte decida tirar férias, mas que a morte, esse mal detestável, seja tão humana, que se apaixone, para mim é lindíssimo. E o humano por quem se apaixona? É maravilhoso. E quando se apaixona a morte, acham que volta a matar? E no fim, claro, é a arte que nos torna imortais e mais spoilers não dou, porque odeio quando me fazem isso a mim! 

Então têm mesmo de ler. Aconselho muito esta leitura. Saramago tem, como é óbvio livros extraordinários e este não se tornou nem de perto nem e longe, o meu preferido dele, porém, é mesmo notável. Se puderem ler, deviam. Dá muito que pensar e em pouco tempo. Se já leram, qual foi a vossa opinião? Qual é o vosso livro predileto deste autor? E já agora, há algum livro a nível de literatura portuguesa que recomendem particularmente? 

 

Idioma de Leitura: Português 

 

4/5 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D