Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

13
Set17

"Capitães da Areia", Jorge Amado - Um Caso de Afetos

Sofia

"Que importa morrer quando se vai em busca da amada, quando o amor nos espera?"

1034827.jpg

Capitães da Areia é um daqueles livros que “estava lá por casa”. Até agora não sei bem se pertencia à minha mãe, ou se é do meu pai. Peguei nele porque não tinha o que ler depois de acabar um livro e antes de ter tempo de comprar outro. Não podia ter sido uma escolha mais acertada. Parece incrível nunca o ter lido antes. Claro que já tinha ouvido falar, claro que já o tinha visto pela casa, claro que já tinha lido um livro de Jorge Amado antes, mas nunca me tinha predisposto a ler Capitães da Areia. Agora estou incrivelmente feliz de o ter feito.

 

Capitães da Areia trata o problema dos menores, crianças abandonadas, das suas vidas – criminalidade, violência, descriminação, perda da inocência, prostituição. “Capitães da Areia” é o nome do “bando” criminoso mais popular de Baía. Temidos por todos e extremamente eficazes, ninguém sabe quem são, apenas que muitos deles são menores e que se escondem algures.

As personagens que se associam com eles são menosprezadas – como o caso do padre, acusado de comunismo, descriminado pela própria igreja. As personagens que se lhes opõem, enaltecidas – como o diretor do reformatório, que empregava métodos trágicos no seu estabelecimento.

Com um “bando” constituído unicamente por rapazes, comecei a acusar a falta de uma personagem feminina. E então aparece Dora. Dora toma a forma de amiga, mãe, irmã, noiva e esposa. Tudo o que uma mulher pode ser. Exceto que ela não é uma mulher, ainda nem quinze anos tem. É provavelmente a personagem mais completa, ou uma delas. Foi definitivamente a minha preferida.

A questão é que, à medida que ia lendo, ia percebendo que o problema daquelas crianças era a falta de afectos. Muitas vezes lutei com o desejo de querer dar-lhes um abraço e dizer-lhes que “ia ficar tudo bem”. Aqueles menores tornaram-se criminosos porque não tiveram ninguém para cuidar deles ou lhes dar afeto. Nem a família, nem o sistema, estavam lá quando eles mais precisaram. O destino de todos eles foi marcado pela falta de atenção e descuido com que foram sendo tratados pela família, pela sociedade, pelo sistema, pela vida.

Capitães da Areia é na verdade uma nobre crítica ao sistema, que menospreza os que mais falta fazem – as crianças, o futuro. E o futuro está em ler esta obra. Não podia estar mais feliz por ter “tropeçado” nela.

 

Idioma de leitura:Português

 

4/5

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, viagens, tragédias, chuva e chocolate.

Segue-me nas redes sociais

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D