Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

05
Ago19

“O Vampiro”, John William Polidori

Sofia

“Afinal, os sonhos dos poetas eram as realidades da vida”

Image result for the vampyre john polidori

Muito tempo depois, volto a trazer-vos algo Gótico. Acho que a última vez que falei de um romance gótico aqui, foi no inicio do ano quando vos trouxe The Monk. Não sei bem dizer o porquê de ter lido O Vampiro. Se calhar é por estar muito em contacto com este género; talvez seja por ter sido quase pioneiro em termos de tema; ou se calhar, apenas calhou. Mas ainda bem que o fiz, não por ter adorado, mas devido à tradição em que se insere e na qual esta obra é tão importante.

 

Aubrey é o jovem protagonista de O Vampiro. Após conhecer um nobre, Lord Rutheven, que se insere na sociedade de Londres misteriosamente, parte com ele em viagem. Mas logo na primeira paragem, deixa-o por ele seduzir uma jovem sua conhecida. Aubrey dirige-se para a Grécia onde conhece uma nova jovem rapariga a quem se liga. Esta jovem é entretanto misteriosamente morta por um vampiro. Aubrey reúne-se a Lord Rutheven de novo, mas nova desgraça. Lord Rutheven é atacado por bandidos e fica às portas da morte, fazendo Aubrey prometer que nunca contará nada daquele momento ou da sua “morte” a alguém durante o prazo de um ano e um dia. Estranho? Pois é. De volta a Londres, Aubrey é surpreendido quando Rutheven aparece outra vez, bem, vivo e preste a casar com a sua irmã no preciso dia em que a promessa acaba. Aubrey passa mal com a situação e é dado como louco. Escreve uma carta à irmã, mesmo antes de morrer, a revelar a verdade que já se adivinha sobre Lord Rutheven, mas esta preciosa carta, claro, não chega a tempo. A irmã de Aubrey casa com Lord Rutheven e podem adivinhar o que daí resulta.

Acho que nunca tinha aqui escrito um resumo tão longo e detalhado.

Esta história tem uma origem conhecidíssima, mas eu não vou supor que todos a conhecem. Foi escrita no ano de 1816, mas apenas publicada em 1819 sendo atribuída a Lord Byron. Porquê? Bem, Polidori, com Percy e Mary Shelley passaram uma temporada nesse “ano sem verão” (como ficou conhecido o ano de 1816, devido às alterações climáticas que assolaram a Europa), com Lord Byron na casa deste na região dos Alpes. Houve uma certa altura desta estadia em que os quatro, tendo ficado “presos” em casa pela chuva, embarcaram num desafio: teriam de compor e contar uns aos outros histórias de terror (muito em voga na época). Foi desta competição que saiu O Vampiro de Polidori (publicado como sendo de Byron) e, como sabem, Frankenstein de Mary Shelley (publicado inicialmente como do seu marido Percy Shelley), obra sobre a qual também já falei aqui no blog.

Não sei se sabem, mas foi a partir deste O Vampiro que a tradição e, sobretudo, a figura do vampiro por excelência, e como o conhecemos hoje, nasceu. Claro que a partir daqui houve uma evolução gigante. Antes desta obra, já existia, claro, folclore vampírico. A questão é que esta obra sintetizou tudo isso em prosa e, nesse aspeto, é importantíssima.

Assim, a relevância da obra, pela sua influência e impacto, é indiscutível. Enquanto obra em si, na minha opinião, é boa, acessível, agradável, mas não extraordinária. Tanto que não abre espaço para grandes interpretações ou reflexões. Para mim vale mais em termos históricos e estéticos.

Desta forma, se alguém estivesse interessado em aspetos técnicos ou estéticos, recomendaria absolutamente a obra. Para quem gosta de Gótico, sem dúvida que é essencial. Porém, com honestidade, não consigo ver o interesse que possa ter para outra pessoa. Há sempre tantas obras, que compreendo que O Vampiro seja algo mais específico e restrito e, definitivamente, não uma primeira escolha. Todavia, é uma obra pequeníssima, lê-se em metade de uma tarde. E com bastante facilidade. Dá para passar um bom bocado e fica-se a conhecer a origem de uma tradição, o que, para quem gosta de literatura e, sobretudo, deste género, é sempre bom.

 

Idioma de Leitura: Inglês

 

3/5

 

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D