Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

15
Out18

“Sir Gawain e o Cavaleiro Verde”, Autor Desconhecido – Romance de Cavalaria e Amor Cortês nunca sairão de moda

Sofia

“Lutar não o perturbava tanto como o rigoroso inverno.” 

51+dDeYoXKL._SX319_BO1,204,203,200_.jpg

Embora só agora tenha lido este poema, já sabia a história de cor há bastante tempo. É um poema bastante discutido quando se estuda a época medieval. Como tal, na faculdade há muitas cadeiras e seminários onde este poema é aborado. Confesso que li este livro por obrigação. Bem, mas também porque me apeteceu, para ser honesta. Afinal já sabia a história antes de ter aberto o livro. 

 

A história principal é a seguinte: estamos em Camelot, reino do Rei Arthur, e vive-se a época natalícia. Ao salão chega um cavaleiro todo verde com uma proposta no mínimo bizarra, mas bastante aceitável na época. Este cavaleiro está ali para desafiar um cavaleiro a entrar num duelo. Porém, tem certas condições: o cavaleiro que aceitar o desafio terá de lhe deferir um golpe com a sua própria arma, mas deixá-lo retribuir o "gesto" dali a um ano e um dia. Sir Gawain é o cavaleiro da corte que aceita esta proposta. Então, o que faz ele? Desfere ao cavaleiro verde um golpe fatal, cortando-lhe a cabeça. O que ninguém esperava era que o estranho cavaleiro apanhasse a cabeça do chão, relembrasse a Gawain que tinham um encontro marcado dali a um ano, e se retirasse do salão com toda a calma do mundo, levando a cabeça debaixo do braço. Durante o resto do poema, lemos sobre as aventuras de Gawain no seu caminho para encontrar o cavaleiro verde. 

Este poema terá sido aparentemente composto no século XIV, no norte de Inglaterra, e o seu autor é, infelizmente, desconhecido, embora seja comum ser referido como Poet Gawain. Há uma grande variedade de outros poemas que também lhe são atribuídos, e só Deus sabe quantos mais ele poderá ter composto que não chegaram até nós. 

Bem, eu adoro romances de cavalaria e histórias de amor cortês, por isso sou suspeita por dizer que acho este poema lindíssimo. Quem me dera que ainda se escrevessem histórias assim. Adoro, acho-as tão incrivelmente mágicas e doces! Meio inocentes também. É tão agradável ler sobre tempos em que magia era aceite e por vezes tida como certa, e sobre tempos em que tudo era respeito e cortesia, em que cavaleiros lutavam por princesas, e princesas favoreciam cavaleiros com beijos castos de boa sorte. Sinceramente acho tudo o que tem a ver com o romance de cavalaria e o amor cortês incrivelmente comovedor e doce. Desperta-me nostalgia por algo que eu nunca vi ou vivi. Para mim, não interessa tudo o que ainda esteja para vir na literatura, ou quantas mudanças de valores virão mudar a sociedade, o romance de cavalaria e o amor cortês nunca sairão de moda.  

Em suma, suponho que não preciso de dizer muito mais, pois não? recomendo-vos a leitura deste poema, mesmo muito. Acho sinceramente que qualquer pessoa gosta deste tipo de história, mesmo que não seja necessariamente o seu género preferido. Se lerem, ou se já leram, digam-me o que acharam! 

 

Idioma de leitura: Inglês 

 

4/5 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Segue-me nas redes sociais

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D