Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

15
Abr19

“Arte de Amar”, Ovídio - um manual com mais de vinte e um séculos

Sofia

“Qual foi a vossa perdição, eu vos direi: não soubeste amar; faltou-vos arte; é a arte que faz perdurar o amor."

250x.jpg

Esta escolha foi um misto de vontade e dever. Já queria ler Arte de Amar há bastante, mas ainda não tinha tido oportunidade. Agora, a oportunidade surgiu e dediquei-me logo. Não tinha bem a certeza quando a comecei se queria falar sobre ela aqui, mas não resisti! 

 

04
Mar19

“Os Irmãos Karamázov”, Fiódor Dostoiévski - superável?

Sofia

“Vivemos pouco tempo na terra, fazemos muitas coisas más e dizemos muitas palavras más. Aproveitemos por isso o bom momento deste nosso convívio para dizermos uns aos outros uma boa palavra. Assim faço eu: enquanto estou neste lugar, aproveito o meu momento.”

Os-Irmaos-Karamazov.jpg

Séculos e séculos e séculos. Foi esse o tempo que passei a convencer-me “a seguir vou ler os “Karamázov"”, e nunca lia! Finalmente aconteceu e, contra a minha própria crença, acabei num instante, e cá estou eu. Na verdade, terminei há já duas semanas, mas até hoje, não tive bem a certeza se queria mesmo falar sobre o livro, mas a minha vontade de querer dizer que toda a gente tem de ler esta obra triunfou. 

 

 

18
Fev19

“Ulisses”, James Joyce – quando o sol brilhou para a Literatura

Sofia

A suprema questão acerca de uma obra de arte é quão profunda é a vida de onde ela brota”

250x.jpeg

Ninguém faz ideia de há quanto tempo eu estava literalmente “a morrer” para ler Ulisses de James Joyce! Não o fiz mais cedo porque, entendi pelo que li acerca da obra e pelo que ouvi das pessoas mais entendidas e competentes que eu, que não a iria entender na sua totalidade. Era uma leitura difícil e exigente e bla bla bla. Então fui esperando. No início deste ano, meti na cabeça que já estava “qualificada” para ler tal livro, que já o conseguiria entender e apreciar, e que portanto estava na hora. 

 

 

11
Fev19

“Consolação da Filosofia", Boécio - e a arte?

Sofia

“Contemplai a extensão do céu, a sua estabilidade e célere movimento, e de uma vez por todas deixai de admirar coisas vis. E o céu não é mais admirável, em boa verdade, do que a ordem com que é governado. Como é arrebatadora a magnificência da sua beleza, como é veloz e mais fugaz do que a mutabilidade das flores primaveris.”

Consolacao-da-Filosofia.jpg

Quando comecei a ler este livro não tinha expectativas por aí além. Até porque não foi um livro que eu tivesse decidido ler. Porém, assim que iniciei a leitura percebi que estava perante algo extremamente belo. Acabei por o ler num instante e estou super agradada com o facto de esta leitura se ter proporcionado. 

 

 

04
Fev19

“A Divina Comédia", Dante Alighieri – capaz de mover o sol e as outras estrelas

Sofia

“Antes de mim não houve cousas mais do que as eternas e eu eterno duro. Deixai toda a esperança, vós que entrais."

320x.jpeg

Ler A Divina Comédia era um desejo antigo, já para não falar de uma “quase obrigação" para qualquer amante de literatura. A oportunidade acabou por se apresentar no início deste ano e foi com grande entusiasmo que comecei a leitura. Esta obra aparece sempre como uma das obras mais importantes, estudadas e analisadas, já para não falar citadas, o que torna ainda mais estranho só agora a ter lido. E o que torna mais difícil a tarefa de falar sobre ela aqui.  

14
Jan19

“O Italiano”, Ann Radcliffe – outra vez o gótico, outra vez a senhora Radcliffe

Sofia

“Desejo que todos os que, nesta noite não estão alegres o suficiente para falar antes de pensar, nunca depois estejam taciturnos o suficiente para pensar antes de falar!”

The-Italian.jpg

Mais uma vez trago-vos um romance gótico! Sei que provavelmente já estou a abusar, depois de Frankenstein (Mary Shelley), de Os Mistérios de Udolpho (também de Anna Radcliffe) e de O Castelo de Otranto (Horace Walpole) voltar aqui outra vez com a Senhora Radcliffe e esta sua obra O Italiano. E sei que, embora o gótico ainda continue em voga, estes primeiros romances e grandes clássicos do género já não são tão populares como um dia foram. A verdade é que, por motivos académicos, tenho estado muito imersa neste género. E destas obras acabo por gostar o suficiente para querer que toda a gente as leia e fale sobre elas. Então cá vamos nós outra vez!

 

 

07
Jan19

“O Sol Nasce Sempre (Fiesta)”, Ernest Hemingway – pólvora para uma geração perdida

Sofia

“Nunca te assalta a impressão de que a tua vida foge e de que tu não a estás a gozar? Não pensas que viveste já quase metade do tempo que tens para viver?”

500x.jpg

A primeira review de 2019! Primeiro tenho de confessar que acabei de ler este livro em 2018. Foi o último livro que li na totalidade em 2018. E que bela maneira de acabar o ano. Hemingway é um dos meus escritores americanos preferidos e uma das personalidades mais queridas de sempre para mim. Na primeira metade de 2018 tinha lido O Adeus às Armas (e fiz a review aqui no blog) e ainda não me esqueci desse livro. Então, em dezembro, assim do nada lembrei-me dessa obra e depois lembrei-me das outras obras que tinha lido do autor e decidi que tinha de ler mais alguma coisa dele. Às vezes é assim que eu decido o que quero ler! Então mas e porquê O Sol nasce sempre (Fiesta)? Bem, é que este livro é tido como ilustrativo de toda uma geração e é hoje tido como um livro de culto. Como é ligeiramente autobiográfico (como aliás muitos dos livros de Hemingway), tive curiosidade. E já era mais do que altura de o ler. Na verdade, receio já ter chegado atrasada a esta leitura. Mas, mais vale tarde do que nunca.

 

 

31
Dez18

Best Of! – os melhores livros que li em 2018

Sofia

Este é o meu post preferido do ano! Adoro fazer listas e adoro partilhar aqui as minhas opiniões, por isso... Este ano li imensos livros e a maioria deles incriveis. Acho que isso se deveu ao facto de ter aproveitado este ano para ler aqueles livros que “estavam na lista”, entendem? Pensei que devia fazer um top 5 como no ano passado mas não sou capaz. Vai ter de ser um top 10! E mesmo assim vai ser ingrato. Vou deixar uma citação para cada livro e uma pequena anotação. Aviso desde já que a maioria dos livros aqui presentes são clássicos ou clássicos modernos. Se acompanham o blog sabem que é o género que mais leio. Mas vamos começar porque este post é gigante!

 

 

18
Dez18

“Canção Doce" - Leila Slimani – uma canção de embalar não tão boa quanto isso

Sofia

“Não deves tentar entender tudo. As crianças são como os adultos. Não há nada para entender."

91RgvW4aTFL.jpg

A minha escolha de ler este livro prendeu-se com três fatores principais: primeiro, estava naquela altura entre leituras em que precisava de ler algo “leve” e “simples”, depois dos últimos livros que li terem sido livros que me fizeram pensar; segundo, a capa deste livro, como podem ver acima, é muito querida e apelativa (eu sei, não é um bom argumento, mas vá lá, quem não escolhe livros pela capa?!); terceiro, as reviews deste livro foram, no geral tão boas, que confiei e achei boa ideia ler. Agora não sei se tenho assim tanta certeza. 

 

 

10
Dez18

“O Mito de Sísifo”, Albert Camus – um marco no existencialismo e absurdo

Sofia

“A partir do momento em que foi descoberto, o absurdo é uma paixão, a mais lancinante de todas. Mas o problema está em saber se podemos viver com as nossas paixões, se podemos aceitar a sua lei profunda, que é a de queimar o coração que elas ao mesmo tempo exaltam.”

250x.jpg

­A minha história com este autor e as suas obras é tão estranha, louca e bizarra, que nem vou por aí. Prosseguindo: da primeira vez que li algo deste autor, foi O Estrangeiro (do qual falei aqui no blog) e do qual gostei imenso. Gostei ao ponto de querer ler mais de Camus. Porém, não o suficiente para ir logo a correr ler tudo. O Mito de Sísifo veio mesmo um bocado “por acaso”.

 

 

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, viagens, tragédias, chuva e chocolate.

Segue-me nas redes sociais

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D