Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

30
Set19

“Ligações Perigosas", Pierre Choderlos de Laclos – Jogos de Sedução

Sofia

“Foi então que confirmei a verdade, que o amor, que julgamos ser a fonte dos nossos prazeres, nada mais é do que uma desculpa para eles.”

410xlJTT-FL._SR600,315_PIWhiteStrip,BottomLeft,0,3

Tal como Le Rouge et Le Noir de Stendhal (de que falei aqui no blog há umas semanas), também Liaisons Dangereuses de Laclos era um clássico francês que queria ler desde há muito. Não o li porque quando era mais nova e comecei a ler os clássicos não existiam as traduções que existem agora nem tanta facilidade de acesso às mesmas. Entretanto, nos últimos anos desde que entrei na faculdade comecei a optar por lê-los no original. Em relação a este livro, o que inicialmente me cativou foi o facto de não me parecer encaixar nos parâmetros daquilo que deveria ser um livro do século XVIII. A moralidade, os valores, o sentimentalismo, etc. Então, sempre tive curiosidade de ler e descobrir como é que este livro tinha sido publicado, recebido, como tinha chegado até hoje e, sobretudo, se era mesmo “tão escandaloso” tendo em conta a época. 

 

23
Set19

“Rei Lear”, William Shakesperare – o que se passa com o rei mais popular da literatura?

Sofia

“Quando nascemos, choramos por virmos para este grande teatro de bobos.”

1540-1.jpg

Esta semana trago-vos outra obra para o que chamei aqui no blog “ciclo Shakespeare”. Sinto-me simultaneamente modesta e envergonhada por só agora ler e falar sobre uma das peças mais populares e apreciadas de Shakespeare e, por conseguinte, do mundo. Confesso que ainda não tinha lido esta peça porque dei prioridade às peças do autor com motivos, digamos, mais românticos, o que não surpreende ninguém. Mas finalmente, li Rei Lear. 

 

 

09
Set19

“Salomé", Oscar Wilde – tragédia que é tragédia tem algo de grego

Sofia

“Não é sábio encontrar significado em tudo o que se vê. Tal torna a vida demasiado repleta de terrores.”

1168897545.jpg

Oscar Wilde é muito conhecido. O que não se sabe tanto sobre si é que, ao contrário da crença comum, ele não escreveu maioritariamente prosa. De facto, a conhecida obra O Retrato de Dorian Gray é um caso único na sua vida artística. Essa obra, uma das minhas prediletas, foi aquela que me introduziu ao autor e foi devido a ela que comecei a ler outras coisas de Wilde, sobretudo peças, contos e poemas já que, confesso, ainda não tive oportunidade e, sobretudo, curiosidade, de ler uma das suas novelas, embora tenha vontade de ler O Fantasma de Canterville. Talvez num futuro próximo, por agora, Salomé

 

 

02
Set19

“Moby-Dick”, Herman Melville – o ‘grande clássico americano’ é mais difícil do que estranho

Sofia

Ahab teve tempo para pensar; mas Ahab nunca pensa; ele apenas sente. Isso é intrigante para o homem mortal! Pensar é uma audácia. Apenas Deus tem esse direito e privilégio. Pensar é, ou deveria ser, algo frio e calmo; e os nossos pobres corações palpitam, e os nossos cérebros batem demasiado para o fazer. E, contudo, por vezes já pensei que o meu cérebro era muito calmo – frio, congelado.

819EmahUAEL.jpg

Moby-Dick era outro daqueles livros que, antes de ler, tive de pôr numa lista antes para me ir convencendo de que tinha mesmo de o ler. Sempre o quis fazer, confesso que mais pelo seu estatuto em termos de cânone do que pelo apelo que a história propriamente dita tinha para mim. Agora estou bastante satisfeita com a conclusão deste projeto.

 

 

12
Ago19

“Carmen”, Prosper Mérimée - Carmen, Carmen … a ‘inesquecível’ e ‘livre’ Carmen

Sofia

“Ela mentiu, senhor. Ela sempre mentiu. Não me parece que ela alguma vez tenha dito algo que fosse verdade. Mas quando ela falava, eu acreditava nela” 

193853.jpgGeorges Bizet tem uma ópera lindíssima em quatro atos que eu adoro e que aconselho muito chamada Carmen (1875). Essa ópera, como quase todas as óperas tem um motivo literário por trás. Baseia-se numa obra de Prosper Mérimée com o mesmo nome, Carmen (1845). Há muito tempo que a queria ler, mas sabem como é, desde que desejamos uma coisa até que a concretizamos, passa uma vida. Enfim, li finalmente Carmen. 

 

 

05
Ago19

“O Vampiro”, John William Polidori – a origem de uma tradição

Sofia

“Afinal, os sonhos dos poetas eram as realidades da vida”

Image result for the vampyre john polidori

Muito tempo depois, volto a trazer-vos algo Gótico. Acho que a última vez que falei de um romance gótico aqui, foi no inicio do ano quando vos trouxe The Monk. Não sei bem dizer o porquê de ter lido O Vampiro. Se calhar é por estar muito em contacto com este género; talvez seja por ter sido quase pioneiro em termos de tema; ou se calhar, apenas calhou. Mas ainda bem que o fiz, não por ter adorado, mas devido à tradição em que se insere e na qual esta obra é tão importante.

 

 

29
Jul19

“O Vermelho e o Negro”, Stendhal – Os pobres também amam

Sofia

As verdadeiras paixões são egoístas”

Le-Rouge-et-le-Noir.jpg

Esta obra fazia parte da minha lista de livros a ler há séculos. Não o li há mais tempo porque, como sabia que era um livro genial mesmo antes de o ler, quis esperar para o ler no original, para não ter de lidar com uma tradução. Mas agora, finalmente, posso falar sobre ele. 

 

 

15
Jul19

“Muito Barulho por Nada”, William Shakespeare – a minha nova comédia preferida!

Sofia

“Não há nada no mundo que ame como a ti, não é estranho?"

HX12Y8GdQbKaOsS2ZRAj7Q_thumb_e92.jpg

Pois é, outra vez Shakespeare! Bem sei que, para quem segue o blog, já é um abuso ir na terceira obra de Shakespeare, ainda por cima quase seguidas. Mas foi como já vos tinha dito, há uns tempos senti saudades do estilo e quis ler algumas coisas do autor que me tivesse passado ao lado. Muito Barulho por Nada é a terceira obra nesta espécie de 'ciclo Shakespeare’ e, com imenso gosto vos digo que é a minha preferida até agora. Tornou-se também a minha terceira peça preferida do autor de entre todas as que li, e mal posso esperar para vos dizer porquê! 

 

 

08
Jul19

“A Morte em Veneza”, Thomas Mann – o amor, a arte, e o amor na arte

Sofia

“Não há nada mais estranho e mais melindroso do que a relação entre duas pessoas que apenas se conhecessem de vista, que diariamente e a toda a hora se encontram, se observam e que, por questões sociais ou mero capricho são obrigadas a manter a aparência de mutua indiferença”  

Image

A Morte em Veneza é um daqueles clássicos que toda a gente conhece. Às vezes, existem certos livros que ‘conhecemos’ tão bem, por estarem de tal forma enraizados na nossa cultura, que nem nos lembramos de os ler. Até nos depararmos por aí com eles e nos questionarmos (e repreendermos) por não nos termos lembrado de os ler antes. E é esta a minha história com A Morte em Veneza.  

 

 

01
Jul19

“Dom Quixote de La Mancha”, Miguel de Cervantes – as nossas grandes loucuras, as nossas pequenas vidas e os nossos terríveis moinhos de vento

Sofia

“Quando a própria vida parece lunática, quem pode saber onde está a loucura? Talvez ser demasiado prático seja loucura. Desistir de sonhos – talvez isto seja loucura. Demasiada sanidade talvez seja loucura – e a maior loucura de todas: ver a vida como ela é, e não como ela devia ser!”

Unknown.jpegComeço por vos dizer que esta é uma das reviews que estou mais feliz por fazer. Por duas razões. Primeiro, porque há muito tempo que queria ler este livro. Segundo, porque ele é mesmo muito grande e para mim, que estou habituada a ler “à velocidade da luz” (e da noite), foi especialmente estranho demorar praticamente duas semanas a acabar um livro. Admito, com alguma vergonha, que foi por isso que não li este livro mais cedo. Agora, sinto que me saiu um peso de cima (porque todo o bom leitor tem de ler Dom Quixote), e que saí desta experiência muito mais enriquecida, porque o livro realmente justifica o seu estatuto no cânone literário. 

 

 

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Segue-me nas redes sociais

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D