Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

10
Fev21

José Saramago, “Evangelho Segundo Jesus Cristo”

Sofia

O teu Deus é o único guarda duma prisão onde o único preso é o teu Deus.

Unknown.jpeg

“Um escritor português, ateu confesso e comunista impenitente, como ele mesmo se apresenta, resolveu elaborar uma delirante vida de Cristo...”, escreveu D. Eurico Dias Nogueira em 1992, quando era então arcebispo de Braga, sobre Evangelho Segundo Jesus Cristo de José Saramago, publicado em 1991. Creio que esta é uma ilustração do conteúdo da obra e da reação que a sua publicação despertou.

 

23
Dez20

“Christmas Every Day”, William Dean Howells

Sofia

Ao fim de uma semana, já tantas pessoas tinham perdido a paciência que se podia recolher “paciências” em qualquer lado; elas pavimentavam o chão perfeitamente. Mesmo quando as pessoas tentavam recuperar as suas paciências, era comum ficarem com a paciência de outra pessoa, o que tornava tudo uma confusão abominável.

transferir.jpg

Não posso dizer que seja uma das pessoas que adora especialmente esta época festiva, mas quando ela chega adoro ler contos de natal. Este ano escolhi este conto de William Howells que nunca tinha lido antes. Está numa coleção chamada “Christmas Every Day and Other Stories” (1892) e é logo a primeira história e a que dá título à coleção.

 

 

14
Dez20

“Menina e Moça”, Bernardim Ribeiro

Sofia

Menina e Moça me levaram de casa de minha mãe para muito longe. Que causa fosse então daquela minha levada, era ainda pequena, não a soube. Agora não lhe ponho outra senão que parece que já então havia de ser o que depois foi.

Menina e Moça by Bernardim Ribeiro

Faz uns dias que recebi uma versão antiquíssima de Menina e Moça (1554) de Bernardim Ribeiro. Nunca tinha visto esta obra à venda e nem sei se existem versões mais modernas. Mas estou muito contente com a minha cópia que, não obstante estar desbotada e literalmente a desfazer-se, é uma edição de 1966 e creio que preserva o texto essencialmente original e com bastantes explicações.

 

 

07
Dez20

Friedrich Schiller, “The Robbers”

Sofia

Que tolo fui em pensar regressar para ser engaiolado? A minha alma tem sede de ação, o meu espírito sufoca por liberdade.

The Robbers - Friedrich Schiller - Compra Livros ou ebook na Fnac.pt

Há muito que tinha imensa curiosidade de ler esta obra. The Robbers foi a primeira peça de Schiller e é uma das suas obras mais conhecidas. Destaca-se enquanto uma das principais obras do movimento Sturm und Drang, apesar de, na verdade, surgir quando o movimento se encaminhava para o fim.

 

 

30
Nov20

“A Cidade e as Serras”, Eça de Queiroz

Sofia

Daquela janela, aberta sobre as serras, entrevia uma outra vida, que não anda somente cheia do Homem e do tumulto da sua obra.

Unknown.jpeg

Parece que ainda há pouco escrevi aqui sobre a minha leitura de O Primo Basílio e e agora escrevo novamente sobre uma obra de Eça de Queirós. Gosto muito da sua obra no geral. Como já tive oportunidade de escrever aqui, é um dos meus autores portugueses preferidos. A Cidade e as Serras era uma das obras que me faltava ler dele. Tive a oportunidade de este ano a adquirir na Feira do Livro e, finalmente, na semana passada, consegui lê-la.

 

23
Nov20

James Joyce — “Retrato do Artista Quando Jovem"

Sofia

Quando um homen nasce … são lhe lançadas redes que o impendem de voar. Falas-me de nacionalidade, de linguagem, de religião. Tentarei voar além dessas redes.

A Portrait of the Artist as a Young Man (Wordsworth Classics) by James  Joyce (1992-05-05): Amazon.com: Books

Se não estou em erro, penso que esta é a terceira obra de Joyce sobre a qual vos escrevo este este ano. No fim do verão escrevi-vos sobre Finnegans Wake, no fim do inverno sobre Dubliners. No ano passado ou no anterior, escrevi-vos sobre Ulisses - uma das minhas obras preferidas de sempre. Isto também quer dizer que esta é a última vez que escrevo sobre algo deste autor, justamente porque só me restava ler Retrato do Artista Quando Jovem, que terminei na semana passada e que muito me impressionou.

 

16
Nov20

“As Flores do Mal”, Charles Baudelaire

Sofia

A mão do diabo coordena todos os nossos movimentos —

As coisas que detestamos tornam-se as coisas que amamos;

A cada dia caímos por sombras fétidas

Bastante implacáveis na nossa descida ao Inferno.

9782070466658_large.jpgTinha As Flores do Mal lá por casa há bastante tempo para ler e nunca me convencia a fazê-lo. Agora que estamos quase no fim do ano e já não tenho assim tantos livros por lá perdidos, decidi que tinha de ser. Não costumo ler muito poesia, confesso, e, geralmente, quando leio são sempre obras que sei que tenho mesmo de ler. O que, na maioria das vezes, acaba por funcionar muito mal, já que escolho obras mais complexas e que — talvez por não estar tão habituada ao estilo —, se tornam ainda mais difíceis.

 

 

09
Nov20

“Belos e Malditos”, F. Scott Fitzgerald

Sofia

Indiferentemente, Anthony deixou-se cair numa cadeira, a sua mente estava cansada — cansada de nada, cansada de tudo, com o peso do mundo que ele nunca escolhera suportar.

The Beautiful and Damned: Amazon.co.uk: Fitzgerald, F. Scott:  9781509857654: Books

Belos e Malditos era a última obra que me faltava ler de F. Scott Fitzgerald. Este ano escrevi aqui sobre Tender Is the Night e sobre This Side of Paradise, das quais gostei muito.The Great Gatsby li quando era muito mais nova e que continua a ser uma das minha obras predilectas. Faltava só mesmo The Beautiful and Damned ou, como na tradução portuguesa, Belos e Malditos.

 

 

02
Nov20

“O General no seu Labirinto”, Gabriel García Márquez

Sofia

Como sairei alguma vez deste labirinto?

51CW+aaRSkL._SX327_BO1,204,203,200_.jpg

Esta foi provavelmente uma das leituras que mais fui adiando. O General no seu Labirinto era um dos livros que estava na minha lista para ler há mais tempo. Gosto muito do autor e, de todas as obras que li dele até agora, não houve uma que não me tivesse cativado e fascinado. Gosto muito do seu estilo. Há uns tempos descobri esta obra e quis ler por, realmente, se basear numa personalidade histórica real. Queria ver o que faria o autor, com o seu estilo, com algo deste género, real.

 

26
Out20

“A Tempestade”, William Shakespeare

Sofia

O que é passado, é prólogo.

The Tempest by William Shakespeare (Paperback, 1994)

Se costumam acompanhar o blog, já certamente notaram que gosto muito da obra de Shakespeare. Deve certamente ser o autor que mais repito aqui no blog. Aqui e ali vou-me lembrando e vou lendo mais uma peça e nunca deixo de me surpreender por ainda não ter não ter esgotado as opções! Ainda há não muitas semanas escrevi-vos sobre Otelo, agora a minha escolha foi A Tempestade.

 

 

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub