Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

04
Mar19

“Os Irmãos Karamázov”, Fiódor Dostoiévski - superável?

Sofia

“Vivemos pouco tempo na terra, fazemos muitas coisas más e dizemos muitas palavras más. Aproveitemos por isso o bom momento deste nosso convívio para dizermos uns aos outros uma boa palavra. Assim faço eu: enquanto estou neste lugar, aproveito o meu momento.”

Os-Irmaos-Karamazov.jpg

Séculos e séculos e séculos. Foi esse o tempo que passei a convencer-me “a seguir vou ler os “Karamázov"”, e nunca lia! Finalmente aconteceu e, contra a minha própria crença, acabei num instante, e cá estou eu. Na verdade, terminei há já duas semanas, mas até hoje, não tive bem a certeza se queria mesmo falar sobre o livro, mas a minha vontade de querer dizer que toda a gente tem de ler esta obra triunfou. 

 

 

08
Out18

“Macbeth”, William Shakespeare – o medieval no renascimento

Sofia

“De amanhã em amanhã vão-se arrastando nossos dias, numa senda sem sentido, até à última sílaba do tempo registado; e a luz dos nossos ontens vai-nos guiando, quais tolos, para a morte.”

transferir.jpg

Shakespeare é um dos meus autores preferidos de sempre. E Macbeth é um das poucas peças do autor que ainda não tinha lido. Sinceramente, nem sei bem porquê. Acho que, como já conhecia a lenda, não tinha assim tanto entusiasmo para ler. Porém, como recentemente surgiu a oportunidade de fazer um trabalho na Faculdade sobre esta obra, comprei-a e li.

 

 

23
Jul18

“Frankenstein”, Mary Shelley – As criações do Homem vão destruí-lo no final

Sofia

“Homem, o quão ignorante ele é no orgulho da sua sabedoria.”

transferir.jpg

Já tinha ouvido falar muito de Mary Shelley e do seu Frankenstein, mas foi só no ano passado, durante o último semestre da licenciatura, que decidi “vou ler este livro”. Falamos da autora devido à sua mãe, uma das fundadoras do feminismo verdadeiro – ênfase no “verdadeiro” -, numa cadeira de cultura, e do livro como pioneiro no género da ficção-científica numa cadeira de literatura. Desde então a minha curiosidade relativamente a ambos só cresceu. Entretanto passou-se mais de um ano, porém não me esqueci e cá estou eu.

Como provavelmente sabem, em Frankenstein, Mary Shelley conta a história de um estudante – Victor Frankenstein – que numa demanda por conhecimento e ciência desenvolve o desejo de “criar” um ser seu semelhante, somente através da ciência e experiência. Esta “experiência” é de facto bem-sucedida – Frankenstein cria, de facto, um ser, cria um monstro. Aterrorizado, foge do mesmo e deixa-o à solta no mundo. A partir daí, a criatura persegue o criador e o resto é, literalmente, história.

A mensagem que a história passa, para mim, é a melhor coisa do livro. Quer dizer, quantas vezes já não pensaram que a inteligência da humanidade vai ser a sua perdição? Estou sempre a pensar nisso. Tenho sempre presente na minha mente que todo o desenvolvimento que estamos a promover nos vai arruinar. Estamos a jogar um jogo de Deus. E nós não somos Deuses, somos só humanos. Claro que temos de evoluir e criar, é a lei da vida e precisamos de inovar para sobreviver. Mas já viram o que somos capazes de fazer? Criamos venenos e drogas, criamos armas e robots, inventámos guerras e coisas que voam, visitámos a lua e tocámos as estrelas. Fazemos coisas que nos matam todos os dias e não paramos nunca. Nunca estamos satisfeitos e estamos sempre à procura de criar a nova “grande coisa”. Quando penso em tudo o que já criamos não posso deixar de me sentir fascinada. Mas também assustada. Quando e onde vamos parar?

Vou dizer-vos uma coisa com toda a honestidade – gostei mais da mensagem da história do que da história em si. Adoro o seu simbolismo, mas a história em si não foi a minha preferida. Não obstante, é uma ótima história, e uma muito bem contada. A autora esteve muito bem na criação deste mundo fantástico e alternativo.

Sabiam que tudo começou como uma diversão? Ao que parece, a autora estava com outros autores e com o seu (muito) famoso marido a passar férias, quando foram retidos em casa por uma tempestade de neve. Então, juntamente com 3 desses autores, decidiu-se que fariam 4 histórias de fantasia para se entreterem. Destes 4, só Mary não faltou à palavra. E ainda bem.

Para mim, este foi um começo glorioso para a ficção-cientifica como género. E como tal acho que nunca pode ser ignorado. Foi assim, pelas mãos de Mary Shelley, que nasceu um dos géneros mais aclamados e vendidos atualmente. Nem que seja por uma questão de curiosidade ou respeito, acho que todos devíamos ler esta obra.

Como tal, recomendo-vos a leitura desta obra tão fundamental no cânone. Se gostam de ficção-cientifica, então não podem mesmo deixar de ler. E se não gostam, bem Frankenstein é um clássico. E se há coisa clara como água na literatura para mim é que os clássicos são para ser lidos. Foram eles que transformaram a literatura no que ela é hoje, e temos para com eles uma divída de milhões. Se a única forma através da qual a podemos saldar é lendo-os, então de que estamos à espera? Corram até a livraria mais perto de vocês e comprem Frankenstein de Mary Shelley. Leiam!

 

Idioma de leitura: Português

 

3,5/5

16
Jul18

“Os Miseráveis”, Victor Hugo – Uma linda história de amor e o mais perfeito retrato de uma sociedade em decadência

Sofia

“Basta amar ou ser amado. Não peçam mais nada depois. É esta a única pérola que podemos encontrar nos caminhos tenebrosos da vida. Amar é uma consumação.”

Após quase um mês de ausência, regressei. E voltei com uma justificação para este tempo afastada: Os Miseráveis. Vocês literalmente não têm noção de há quanto tempo eu queria ler este livro. A única razão pela qual não o li antes é simples e prende-se com o seu tamanho. Mas agora lá foi. Li a grande obra de Victor Hugo e não podia estar mais feliz e literariamente realizada do que estou neste momento.

 

 

28
Mai18

“Orlando”, Virgina Woolf – Várias personagens numa única personagem? Para Virginia Woolf não há impossíveis

Sofia

“Estou saturada deste meu eu. Quero outro.”

orlando.jpg

Antes demais devo fazer um desabafo sentido: vocês não têm noção da dificuldade de escolher uma só frase do livro para meter aqui em cima. Literalmente todo o livro está repleto de frases para colocar a ilustrar posts sentidos. Adiante. Aqueles que seguem este blog sabem o quão fã eu sou de Virginia Woolf. Este é o quarto livro que leio dela, seguindo-se a Mrs Dalloway, O Quarto de Jacob e Rumo ao Farol (estes dois últimos contam com review aqui no blog). Orlando foi mais um passo rumo ao meu objetivo de ler todos os livros da autora. Devo dizer-vos que foi de longe o meu preferido dos quatro, tendo destronado Mrs Dalloway no meu top “Virginia Woolf”, o que não esperava que acontecesse. Continuem a ler para saber porquê.

 

 

23
Abr18

“Rumo ao Farol”, Virginia Woolf – viagens complicadas são feitas por mais de uma vez

Sofia

“Sim, tive a minha visão”

9789896410179.png

Sou uma grande fã de Virginia Woolf enquanto personalidade literária. Acho-a uma das mais interessantes. Quando era mais nova li Mrs Dalloway e lembro-me de ter ficado muito bem impressionada. O ano que passou li O Quarto de Jacob por motivos académicos e também não desgostei. Em relação a este Rumo ao Farol devo dizer que sempre foi o livro de Woolf que mais me aguçou a curiosidade, então a semana que passou enchi-me de coragem e peguei nele.

 

 

19
Mar18

“O Primeiro Amor”, Ivan Turguénev – Algo de que todos sofremos

Sofia

“Eu não tive primeiro amor, comecei diretamente pelo segundo.”

d380756b70ae6857ed1163f789b60799.jpg

A minha história de amor com este livro começou na livraria. Vi, por acaso O Primeiro Amor na livraria que habitualmente frequento e soube logo que o queria ler. Por três razões: primeiro, é um clássico que como sabem, é a minha “categoria” preferida; segundo, é russo: não sei se já vos contei mas sou uma grande fã da literatura russa; e terceiro, o título: como sabem sou uma dessas pessoas que se deixa levar por um bom título e uma capa bonita. Shame on me. A ideia de “primeiro amor” é para mim muito importante, como já vos vou passar a contar.

 

 

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Segue-me nas redes sociais

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D