Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

10
Jun19

“A Dama das Camélias”, Alexandre Dumas Filho – o amor alguma vez vai ser o suficiente?

Sofia

“Aquela mulher tinha uma admiração infantil pelas coisas mais simples. Havia dias em que ela corria pelo jardim como uma menina de dez anos atrás de uma borboleta ou de uma libélula. Aquela cortesã, que gastou mais dinheiro em ramos de flores do que aquele que seria necessário para uma família inteira viver com conforto, às vezes sentava-se na relva durante uma hora para examinar a simples flor que tinha o seu nome”

la dame aux camélias.jpeg

Não sei bem desde há quanto tempo é que queria ler este livro, mas lembro-me de ser menina e procurar a tradução desta obra por todo o lado sem nunca a encontrar. No último mês comprei a versão em francês e resolvi-me a ler.

 

 

27
Mai19

“As Intermitências da Morte”, José Saramago - e se a Morte nunca chegasse?

Sofia

"A morte, por si mesma, sozinha, sem qualquer ajuda externa, sempre matou muito menos que o homem”

250x.jpeg

Como provavelmente já perceberam, eu não sou por excelência uma apreciadora ou admiradora de literatura portuguesa. Não é o meu campo de interesses principal e sinto sempre que para me prender, tem realmente de ser uma obra notável. Assim, há muito poucos autores que aprecie e como tal, cada vez que decido do nada que é altura de ler literatura portuguesa, é um desafio. Tudo o que é clássico, já está lido. E tudo o que é atual, simplesmente não me puxa. Saramago é como o meio termo e então, para mim, é uma exceção. Desta forma, nos últimos anos, cada vez que decido que está na hora de literatura portuguesa, é sempre Saramago. Porém, as escolhas também vão escasseando cada vez mais e desta vez, a escolha foi As Intermitências da Morte

 

 

03
Dez18

“Memória das Minhas P*tas Tristes”, Gabriel García Márquez – o antídoto para a mortalidade

Sofia

“Sempre pensei que morrer de amor era apenas uma licença poética”

Memoria-de-Mis-Putas-Tristes.jpg

O primeiro livro que li de Gabriel García Márquez foi Cem Anos de Solidão. A esse seguiu-se O Amor em Tempos de Cólera. Há uns tempos lembrei-me do nada de que devia voltar a ler algo deste autor. Por nenhuma razão em particular. Simplesmente veio-me o pensamento à cabeça. Gosto de pensar que quando isto me acontece, é um sinal. Fui pesquisar qual o livro do autor com uma história que mais me apelasse e escolhi este.

 

22
Out18

“E Tudo o Vento Levou”, Margaret Mitchell – Pensarei nisto amanhã e para o resto da minha vida

Sofia

“Não posso pensar nisso agora. Se o fizer, enlouqueço. Pensarei nisso amanhã. Então, vou conseguir suportá-lo. Afinal, amanhã é um novo dia." 

gone-with-the-wind.jpg

E Tudo o Vento Levou é um clássico. Clássico do cinema, mas sobretudo clássico da literatura. Se vos disser quantas vezes, nos meus 22 anos me preparei para o ler ou para o ver e não o fiz, não acreditariam. O filme tem mais de 4 horas, o livro mais de 1000 páginas. Estão a perceber? Este verão, numa tarde em casa disse a mim mesma, de hoje não passa. Vi o filme. Vai parecer-vos exagerado, mas foram das 4 horas mais gloriosas e bem passadas da minha vida. Quando acabei o filme, abri a internet e mandei vir o livro. No sábado passado acabei de o ler, ao fim de 2 semanas. Das melhores da minha vida. Nunca me perdoarei por não ter lido este livro mais cedo. 

 

 

24
Set18

“Villette”, Charlotte Brontë – porquê tão subvalorizado?

Sofia

“Eu acredito numa mistura de esperança e sol que adoça as piores coisas. Eu acredito que esta vida não é tudo; nem o começo, nem o fim. Eu acredito enquanto tremo; eu confio enquanto choro.”

412YYMMIP0L._SX324_BO1,204,203,200_.jpg

O único livro das Brontë que ainda não tinha lido! Finalmente, posso riscá-lo da minha lista. A única razão pela qual ainda não tinha lido Villette foi o facto de não haver uma tradução em Portugal, e eu gosto sempre de ter uma versão em português e uma no original dos clássicos dos meus autores preferidos. E as Brontë estão definitivamente nessa categoria. Adoro-as. Como tal não fiquei surpreendida com a qualidade desta obra. A única coisa que me surpreendeu foi o facto de este livro não ser tão falado como os outros livros das Brontë, inclusive de Charlotte.

 

 

03
Set18

“Mil Vezes Adeus”, John Green – Fui para o Prado

Sofia

“Qualquer pessoa pode olhar para ti. É bastante raro encontrar alguém que veja o mesmo mundo que tu.”

250x.jpg

Se costumam ler o blog sabem que já li todos os livros de John Green. Adoro-o. Na minha opinião, ele é sem dúvida o melhor escritor de Young Adult Novel – Romance Jovem Adulto – da atualidade, e um dos melhores de sempre. Os livros dele estão entre os meus preferidos do género. Como ele já não lançava livros há uns anos, foi com grande ansiedade e entusiasmo que o ano passado soube do lançamento deste seu novo livro. Como todos os livros que tenho dele são traduções, esperei que fosse traduzido, e depois esperei ainda mais porque outros livros se “meteram no caminho”. Mas a espera acabou e li finalmente Mil Vezes Adeus!

 

 

27
Ago18

“Chocolate”, Joanne Harris – assim morre o “chocolate”?

Sofia

“Felicidade. Tão simples como um copo de chocolate ou tortuosa como o coração. Amarga. Doce. Viva.”

250x.jpg

Como provavelmente sabem, há um filme adaptado deste livro de Joanne Harris. Foi através dele que conheci a história. Na altura soube que o filme tinha por detrás um livro, mas apesar de ter “gostado” q.b do filme não tive a mínima curiosidade de ler o livro. Porém, no fim-de-semana passado vi-o no supermercado e adivinhem? Exato, estava em promoção! E quem é que resiste a livros em promoção? Claramente não eu. Então acabei por comprá-lo e cá estou eu.

 

 

21
Mai18

“O Sol também é uma Estrela”, Nicola Yoon – Capas bonitas, histórias queridas, livros inesperados

Sofia

“Porque é que não há mais poemas sobre o sol? O sol também é uma estrela, e é a nossa estrela mais importante. Só isso devia-lhe valer um poema ou dois.”

28763485.jpg

Se seguem o blogue já perceberam que este é o segundo livro que leio desta autora, que ainda só publicou este e Tudo, Tudo e Nós. Se seguem o blogue e leram a minha opinião sobre Tudo, Tudo e Nós, sabem que o adorei e por isso não estão admirados de me ver agora a dar a opinião sobre este livro. Por fim, se seguem o blogue também sabem que eu tenho aquela coisa estúpida de julgar um livro pela capa. Então, pela foto desta capa acima, também sabem porque quis ler este livro. As capas já me enganaram muitas vezes como é óbvio. Mas este não é o caso. Acompanhem-me

 

 

12
Mar18

“A Febre das Tulipas”, Deborah Moggach – a quanto obriga o amor

Sofia

“Vim para pintar um quadro”

500_9789892338743_febre_tulipas.jpg

Este é um daqueles livros que se não tivesse ouvido falar de um filme adaptado dele, nunca o teria descoberto. Aliás, se não o tivesse visto numa livraria com a capa que conhecia do filme nunca adivinharia que antes de ser um filme, era um livro. Não, não cheguei a ver o filme, mas sempre fiquei com curiosidade, confesso que devido à capa de menina e ao nome misterioso, então comprei e li.

 

 

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, viagens, tragédias, chuva e chocolate.

Segue-me nas redes sociais

Instagram

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D