Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Outra Menina Bennet

A Outra Menina Bennet

18
Jan21

“Viagens na Minha Terra”, Almeida Garrett

Sofia

A tudo se habitua o homem; a todo o estado se afaz; e não há vida, por mais estranha, que o tempo e a repetição dos actos lhe não faça natural.

images.jpeg

Viagens na Minha Terra foi publicada em 1846 — primeiramente em folhetim, de 1845 a 1846 — e é muitas vezes considerada uma das obras mais relevantes do romantismo e do início do modernismo em Portugal. Para além de ser tida como extremamente inovadora, sobretudo considerando o seu período de composição e em virtude dos diversos estilos que engloba.

 

Tendo como pano de fundo a Revolução Liberal, em Viagens na Minha Terra, o narrador conta na primeira pessoa as suas viagens por Portugal e o romance entre Carlos e Joaninha. A viagem relatada é entre Lisboa e Santarém e terá sido inspirada na experiência do próprio autor. Já o romance ficcional entre Carlos e Joaninha é uma narrativa à parte que vai sendo contada ao narrador. Nessa história entram também Frei Dinis e D. Francisca, a avó dos protagonistas. Carlos e Joaninha são primos e haviam crescido juntos até Carlos ter partido para Inglaterra. Ele acaba por voltar na altura da guerra civil entre liberais e absolutistas e vê-se apaixonado por Joaninha, sentimento que é recíproco, mas dificultado pelo afeto que Carlos também nutre por outra mulher — Georgina — e pela situação familiar em que se vê com a avó e Frei Dinis.

Não vale a pena dizer que não é pelo romance entre Carlos e Joaninha que a obra é mais recordada ou que esse não é um dos seus aspetos mais cativantes. Ainda assim, gostaria de mencionar o quanto me impressionou a crítica de costumes e o retrato do nosso país à época que, devido ao estilo e às capacidades do autor, resulta extraordinariamente verossímil. Em minha opinião, esse é precisamente um dos fatores que mais destaca esta obra e que mais faz sobressair a sua inovação.

De facto, ao mesmo tempo que parece claramente encaixar no estilo e na estética romântica, também se pode dizer o mesmo relativamente ao que já preconiza do modernismo que se seguiu. É quase um diálogo permanente entre dois movimentos e estéticas. E isso ocorre em todas as suas vertentes. Em termos de estilo e abordagem, mas também no que concerne a narrativa. Há momentos em que recordou o estilo que viria a caracterizar posteriormente Eça de Queiroz. Neste âmbito, torna-se uma obra muito interessante.

O que menciono faz-me sublinhar o modo como existem nesta obra duas histórias — a do narrador e da sua viagem e a de Carlos e Joaninha que lhe é contada — e, na verdade, as duas retêm estilos diferentes (para além do conteúdo, claro) que, não obstante, se unem na crítica de costumes e no retrato de Portugal.

Além disso, destaco também a conceptualização de Carlos enquanto típico herói romântico. Não lhe falta um único aspeto dos que caracterizaram os heróis do período romântico.

Seria estranho dizer que não valorizo a obra pelo romance, porque foi, claro, a parte que mais me cativou — como penso que ocorre com a maioria dos leitores. Todavia, olhando agora para trás, o que mais aprecio é realmente a inovação estilística e estética e este encontro entre estilos e movimentos que me faz pensar na inovação que esta obra representa no contexto literário em que surge.

Ademais, não deixo de enfatizar a quantidade significativa de referências a outras obras, culturas, filosofias, etc, que tanto enriquecem a obra, denunciam os conhecimentos superiores do autor — sobretudo notáveis tendo em conta que a facilidade de difusão, circulação e educação não era em nada semelhante à nossa — e que explicam como escreveu uma obra tão importante.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre a Sofia

Estudante de Letras. Romântica Incurável. Perdida algures num sonho. Apaixonada por livros, chá, contos de fadas, tragédias e chuva. Entre Flores & Estrelas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub